Como não fazer roladas de Percepção

Vou começar este post dizendo que eu fui culpado disso no passado, e só quando eu comecei a jogar frequentemente eu percebi o quão errado isso é. Imagine o seguinte cenário:

[Tormir está caminhando de volta para seus aposentos. A noite foi excelente e repleta de bebida e comida. Tormir está cambaleando levemente, talvez devido às 15 jarras de cerveja que tinha bebido. A noite está particularmente calma…]

Mestre: “Tormir, rola percepção.”

Tormir: “Tirei 6…”

Mestre: “Você não percebe nada.”

Você não percebe nada? Sério? Não estou negando o fracassso na rolada de Tormir, mas pedindo por uma rolada de percepção alertou toda a mesa que alguma coisa estranha está acontecendo. Tormir pode não perceber nada, mas Pedro, o jogador por trás de Tormir percebe, e Tormir pode agir de acordo, apesar de ser metajogo.

Se o Mestre está pedindo uma rolada de percepção, obviamente alguma coisa está acontecendo, e se nada está, então essa foi uma péssima ideia do Mestre. Pedir roladas aleatórias que não levam à nada só cria tensão desnecessária entre os jogadores, não entre os personagens, e termina com absolutamente nada.

Então como resolver esse problema de “Você não percebe nada”?

Talvez… Rolar percepção secretamente?

É claro, uma forma é rolar a percepção de Tormir por trás de seu escudo do Mestre, assim evita alertar os jogadores que algo est- Ahhh esqueça! Fazer roladas pelos seus jogadores é uma péssima idéia e um grande NÃO. Você está jogando um jogo com seus amigos, não role os dados para eles.

O que precisamos é de uma forma de resolver esse problema que não inclua tomar controle dos seus jogadores, e que garanta que alguma coisa vai acontecer imediatamente, independente do resultado da rolada de percepção.

Talvez… Simplesmente diga a informação sem a rolada de percepção!

Essa é uma ideia justa. Se algo está para acontecer que absolutamente vai atrair a atenção de Tormir, então por quê não simplesmente dar a informação para ele? Definitivamente uma forma correta de lidar com o problema. Porém, isso só resolve o problema se o evento vai interagir diretamente com Tormir, e não leva em conta outros fatores, como os 15 litros de cerveja atualmente afetando os sentidos do anão.

Talvez… Tormir vai sempre perceber algo, a rolada de percepção só define o quão bem ele percebe o evento inicialmente.

Vamos colocar essa opção no nosso cenário inicial:

Tormir: “Tirei 6…”

Mestre: “Do canto de seu olho, você nota uma figura correndo pelos telhados. No seu estado embriagado, você não consegue dar uma boa olhada nela.”

Ou, com uma rolada alta:

Tormir: “Tirei 18!”

Mestre: “Ao caminhar pela praça, você nota uma figura correndo rapidamente pelos telhados. Ao passar perto de um poste, a figura é brevemente iluminada. Você ve claramente o rosto inconfudível de Markin, assim como suas espadas presas em seu cinto. Ele se dirige rapidamente ao centro da cidade…”

Bem melhor! Agora independente da rolada você está dando informação suficiente para incluir o jogador no cenário e avançar o jogo, mas ainda leva em consideração o resultado da rolada para determinar quanta informação o jogador consegue e, desta forma, muda a forma com qual o jogador pode decidir lidar com a situação. Além, disso, é muito mais divertido do que “Uhh, você falhou o teste, você não vê nada, continua caminhando…”.

2 comentários

  1. Olha…ainda jogo com observar, ouvir, procurar e sempre que a minha mesa usa um desses testes eu uso o “quao fora do comum voce viu/ouviu” só por tirar 1 no dado não significa que a pessoa ficou alguns momentos sem ouvir praticamente nada, ela só nao deu importancia a informação que eu daria…observar a mesma coisa. Sou bem contra jogar dados por outras pessoas, acho que a parte de sorte deixa os resultados mais legais e muito menos do mesmo. Achei bem definida sua descrição e procuro usar o maximo disso na minha mesa mesmo com “resultados ruins”.

  2. Discordo completamente do rolar para os jogadores. A vida real não é feita de rolagens, a gente vê coisas sem saber, e deixa outras passar seja lá pelo que for. SE os jogadores concordarem, vale a pena rolar os dados atrás do shield, adiciona um elemento de tensão muito animal, caso os players não saibam desvincular o que eles sabem e o que o PC sabe. Aliás, sua segunda rodada foi bem de 20 natural, não de um 18. O DC médio é 12~15, então acertar com um +3/+4 não dá tantos detalhes, IMO.

    Claro, tudo é minha opinião.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *